CARLOS GUERREIRO - O ENCADERNADOR

Rua de São Boaventura, Nº 4-6 - Lisboa
(mapa)

 
Só duas coisas se devem julgar pela capa. Um super-herói e um encadernador. E o encadernador que eu descobri nesta pequena oficina do Bairro Alto tem qualquer coisa de super-herói.
 
Ora imagine-se o parênteses…
 
Chega-se o pseudo-intelectual com uma primeira edição dos Lusíadas (coisa catita encontrada lá no Club Med de Ceuta, esquecida algures por El-Rei tadinho) e diz:
 
- Ó Sr.Carlos, tenho aqui este calhamaço que vai ficar lindamente em cima da mesinha da sala, ao lado do bric-à-brac vintage e dos dvd’s do Fassbinder. Mas preciso que me apare aqui as páginas e que me faça uma capa nova, assim meia retro. Pode ser?
 
Ao reconhecer tal exemplar da Raça, em mãos tão ignorantes, Carlos Guerreiro informa imediatamente que isso seria pior que bater n´avó. Os livros devem sempre manter-se originais. Devem, obviamente, ser restaurados mas se de facto se quiser qualquer coisa que faça “pandam” com a decoração, pode sempre fazer-se uma bonita caixa para pôr o dito.
 
Resultado, o fulano sai de lá todo satisfeito com uma caixinha laroca e o Camões já pode dormir descansado.
 
Fecha parênteses.
 
Carlos Guerreiro é um daqueles profissionais à moda antiga, cheio de bons adjectivos. A velha oficina tem mais de 70 anos e Carlos veio para cá ainda garoto… já lá vão 3 décadas.
 
Nos entretantos, restaurou livros famosos para a Torre do Tombo, encadernou enciclopédias para condes e marqueses, livros de honra para presidentes da república, álbuns para partidos e clubes, ementas para restaurantes, cartões pessoais (daqueles que se trocam, riscando o cargozinho) e por ai fora. Além de ser, seguramente, um dos melhores na sua área, Carlos é também um grande artista na arte de gravar e dourar encadernações, criando maravilhosos exemplares.
 
Se lá for, ele mostra-lhe tudo. As prensas antigas, as letras de tipografia, os bronidores, os compenedores, os vazadores, os ferros para dourar, as antigas ferramentas, as peles e o ouro fino.
 
Além de anos de sabedoria e apuramento técnico, Carlos é ainda um conservador ecológico, fazendo os seus próprios produtos com ingredientes naturais. Por falar nisso, nada como levar umas cervejinhas para acompanhar a conversa. Mas cuidado! Se for visitá-lo arrisca-se seriamente a passar uma tarde na cavaqueira porque, para além de um grande artesão, Carlos é genuinamente simpático e generoso. Ou, como dizia o seu Mestre:
 
"Um bom homem. Pena é ser sportinguista."
 
 
You can’t judge a book by its cover, but you can sure judge the bookbinder. Carlos Guerreiro is a master in is trade. He’s been doing it for the last 30 years in this old workshop. If you have a precious book that needs to be restored, or even if you want to get a beautiful cover for your best (rectangular) friend, you know where to come. Carlos is also a gifted artist in the art of gilding. You can judge him anytime.

Adicionar novo comentário

Plain text

  • Não são permitidas tags HTML.
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.