A TENDINHA

Praça D.Pedro IV, Nº 6 - Lisboa
(mapa)
 
Diz-se que a Tendinha é uma das casas mais antigas do Rossio. Foi fundada em 1840 e afundada em destilações e fados. A Hermínia Silva cantava-a assim: 
 
“Junto ao Arco do Bandeira, há uma loja, a Tendinha, de aspecto rasca e banal…”
 
Mas isso era antigamente. A verdade é que a Tendinha (para o bem ou para o mal) levou umas obras, há uns anos, e lá ficou com um ar mais actual.
 
Diz-se também que foi aqui que o grande Malhoa (o pintor, não o cantor) descobriu o célebre Amâncio (o cantor, não o jogador de futebol) que lhe serviu de modelo para o famoso quadro, “O Fado”. A verdade é que os fadistas não passavam sem cá vir beber inspiração. E a Hermínia continuava o hino… “és o templo da pinguinha, dos dois brancos da gimbrinha, da boémia e do pifão…”
 
E lá do pifão continua a ser porque, ao pé de inflacionadas Nicolas e Suíças, esta é a única esplanada onde ainda se consegue apanhar uma piela por uma bagatela. A Tendinha honra-se de continuar a praticar preços d’amigo, dos tempos em que o Alfredo Marceneiro aqui vinha comer a sua sandes de torresmos (ou quase).
 
Diz-se que os artistas “vinham já grossos das hortas, caturrar nas horas mortas e ouvir o fado cantar”. A verdade é que foram substituídos por nova clientela que já se habituou a aqui vir comer a sopinha da avó, as sandes (em carcaça lisboeta) de presunto ou queijo fresco, de panado, filete de pescada ou bifana e ainda o pastelinho de bacalhau, o croquete e o rissol acompanhados (obviamente) pela cerveja ou pelo tintol.
 
Diz-se ainda que, para servir estas iguarias, cá estão o Sr.António e o Sr.Alfredo, a aturar com simpatia os fidalgos e os fadistas, os bêbados e os artistas, os liberais e os absolutistas, os locais e os turistas e a verdade é mesmo esta - passados mais de 200 anos a Tendinha continua a ser “na história da bebedeira” e na história da capital, bem mais que uma tasquinha, um autêntico “padrão imortal”.
 
 
This is one of the oldest houses in Rossio square. Tendinha’s fame is so legendary they even made a Fado song about it. If you could translated it properly you would know that since 1840, all the artists and Fado singers came here to drink. Nowadays is the only esplanade in Rossio square where you can eat portuguese typical tapas (we call them “petiscos”) and drink wine or Ginjinha, without paying like a tourist! Enjoy it while it lasts.

Adicionar novo comentário

Plain text

  • Não são permitidas tags HTML.
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.